Grandes projetos de Pedrouços e Margueira
Banner ELECTROLUX728x90
Versão para impressão
PDF

Grandes projetos de Pedrouços e Margueira

on .

diggdiggfacebookfacebooktwittertwitter

pedroucos

Grandes projetos de Pedrouços e Margueira já estão em marcha envolvendo investidores privados

O projeto de Pedrouços é da Administração do Porto de Lisboa (APL), que está já a preparar para a zona junto à Fundação Champalimaud, com o objetivo de que seja construída uma marina, num modelo de concessão a 50 anos, mas também habitação turística, hotéis, áreas de comércio e lazer. O investidor privado que vai desenvolver estes terrenos será selecionado por concurso.

Designado provisoriamente de Marina do Tejo, o projeto é traçado pela APL e pelo Estado, através da Direção Geral do Tesouro e Finanças (DGTF), e "vai ser colocado no mercado muito em breve", segundo avançou Andreia Ventura, vogal da APL, citada pelo Público Imobiliário, num pequeno-almoço promovido pela Vida Imobiliária e pela Cushman & Wakefield.

No outro lado do rio Tejo, de frente para o centro histórico da capital, está desenhada a Cidade da Água, a nascer nos territórios da Margueira (em Almada) na área dos desativados estaleiros de construção naval da Lisnave. Segundo escreve ainda o Público Imobiliário foi dada luz verde para o desenvolvimento do masterplan deste projeto, desenhado pelo arquiteto Richard Rodgers com o apoio da Atkins e que contempla a regeneração e reconversão total daqueles 54 hectares, dos quais 10 de docas.

O plano tem aprovada a construção de 640.000 m², dos quais 50% são de uso misto, "o que é uma grande mais-valia, pois significa que poderão ser afetos a vários tipos de utilização", de acordo com o administrador da Baía do Tejo, Sérgio Saraiva, citado também por este jornal.

O projeto tem vindo a ser ativamente promovido junto de grandes investidores internacionais, já o objetivo do Estado é alienar na totalidade, ficando o seu desenvolvimento 100% assegurado por privados.

Este trabalho de promoção internacional está a ser feito pela Baía do Tejo, uma sociedade pública responsável pela gestão dos territórios do Arco Ribeirinho Sul. E de acordo com o responsável da Baía do Tejo, "o objetivo do Estado é que a alienação se processe este ano, através de um concurso por convite, para o qual temos já sinalizados dois interessados".

 

Fonte: Idealista News