Comporta: ... convites do BESI
banner AEG728x90
Versão para impressão
PDF

Comporta: ... convites do BESI

on .

diggdiggfacebookfacebooktwittertwitter

comporta

Comporta: interessados já receberam convites do BESI

O Negócios escreve que alguns potenciais interessados receberam convites para participarem na alienação da Comporta na última terça-feira, horas depois de ter sido disponibilizado o relatório e contas do Herdade da Comporta - Fundo de Especial de Investimento Imobiliário Fechado (FEIIF).

Candidatos à compra forçados a sigilo

Para já, segundo diz o jornal, os possíveis candidatos só tiveram acesso a informação genérica sobre a Comporta e sobre o processo de venda. A disponibilização das regras detalhadas sobre o processo de venda, incluindo o calendário, bem como de informação financeira pormenorizada sobre o fundo e a sociedade que gerem a Comporta, fica condicionada à aceitação de dois acordos de confidencialidade, um relativo a cada operação.

Só os candidatos que assinarem este contrato poderão ter acesso aos documentos que definem o enquadramento legal e os prazos das operações ("process letter") e terão acesso aos relatórios financeiros ("data room") sobre o fundo e a sociedade que a Deloitte preparou.

À venda vão estar as participações maioritárias que a Rioforte, antiga "holding" do Grupo Espírito Santo, tem no FEIIF e na sociedade que gerem a Comporta. A Rioforte, que está em processo de insolvência no Luxemburgo, tem 56,66% do fundo e 56,3% da empresa agrícola. Os restantes investidores são o veículo Nelia, com 15%, e minoritários, a maior parte dos quais membros da família Espírito Santo.

Apesar de o calendário do processo não estar definido, de acordo com informação disponibilizada pelo Tribunal do Luxemburgo, o jornal afirma que as ofertas não vinculativas deverão ter que ser entregues até meados de junho. OS interessados que não tenham sido convidados pelo BESI podem também participar no processo, contactando o banco diretamente.
Entre os possíveis candidatos à compra da Comporta estão investidores norte-americanos, como a Armory Merchant ou a Lone Star, além de grupos chineses, segundo tem sido referido por fontes do mercado imobiliário e lembrado agora pelo Negócios.

 

Fonte: Idealista News