As taxas Euribor desceram para mínimos de sempre
banner AEG728x90
Versão para impressão
PDF

As taxas Euribor desceram para mínimos de sempre

on .

diggdiggfacebookfacebooktwittertwitter

taxas-euribor

As taxas Euribor desceram em relação a quarta-feira, tendo nos três prazos mais curtos caído para novos mínimos de sempre

No dia em que decorre mais uma reunião do Banco Central Europeu, as taxas interbancárias desceram para novos mínimos, reflectindo a perspectivas de mais estímulos por parte da autoridade monetária.
 
Apesar do consenso sobre a necessidade de o BCE ter de utilizar ainda mais poder de fogo, os economistas dividem-se sobre se o reforço dos estímulos ocorrerá já ou apenas na reunião de Dezembro.

Segundo uma sondagem da Bloomberg  junto de 50 economistas, quase metade apontam a reunião desta quinta-feira como a melhor oportunidade para anunciar o reforço dos estímulos. Uma das medidas seria estender o programa de compras além de Março de 2017.
 
A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, desceu hoje para -0,304%, novo mínimo de sempre e menos 0,1 pontos base do que na véspera.    
 
A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez a 6 de Novembro passado, também desceu hoje, para -0,201%, novo mínimo de sempre e menos 0,3 pontos base do que na quarta-feira.
 
No prazo de nove meses, a Euribor desceu hoje para -0,131%, novo mínimo de sempre e menos 0,2 pontos base.
 
Depois de ter sido fixada em valores negativos entre 27 de Novembro e 3 de Dezembro, a Euribor a nove meses voltou para níveis abaixo de zero a 7 de Janeiro passado, nos quais se tem mantido desde então.
 
No prazo de 12 meses, a Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de Fevereiro passado, recuou hoje para -0,060%, menos 0,001 pontos do que na quarta-feira e depois de ter atingido o mínimo de sempre, de -0,063%, pela primeira vez em 07 de Julho.
 
As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.

Fonte: Jornal de Negócios