Venda de casas com sinais positivos em todas as regiões
Banner ELECTROLUX728x90
Versão para impressão
PDF

Venda de casas com sinais positivos em todas as regiões

on .

diggdiggfacebookfacebooktwittertwitter

venda-casas

Venda de casas com sinais positivos em todas as regiões

O inquérito mensal Portuguese Housing Market Survey (PHMS), produzido pela Confidencial Imobiliário (Ci) e pelo RICS, mostra que, em junho, as vendas de casas subiram ao ritmo mais elevado desde setembro do ano passado, registando-se aumentos do volume de transações em todas as regiões analisadas, nomeadamente Lisboa, Porto e Algarve. As expetativas apontam para que as vendas cresçam ainda mais ao longo do próximo trimestre em todas as regiões.

Acompanhando o fortalecimento da atividade do mercado de compra e venda de casas, os preços continuam também a subir, aumentando pelo 19º mês consecutivo em junho. E também neste campo, as expetativas são bastante positivas, com os inquiridos a anteciparem um aumento de 3% no preço das casas a nível nacional nos próximos 12 meses. Segmentando por região, o Algarve é o mercado onde se espera que os preços cresçam de forma mais acelerada (4%), seguindo-se Lisboa (3%) e o Porto (1,5%).

Para o diretor da Confidencial Imobiliário, Ricardo Guimarães, "os mediadores continuam a afirmar que a procura internacional se mantém como o principal fator para suportar as suas expetativas. Portugal parece estar no local certo para beneficiar da incerteza que afeta os outros mercados e das vantagens fiscais que oferece aos investidores. Obviamente que tal não se verifica em todos os mercados, estando particularmente a impulsionar a região de Lisboa (incluindo o próprio concelho de Lisboa). Contudo, outras localizações estão a começar a aparecer nos radares dos investidores estrangeiros, o que vai permitir que surjam mais oportunidades noutros locais".

Já Simon Rubinsohn, Economista Sénior do RICS, destaca que "o aumento da confiança dos consumidores, a flexibilização das condições de credito e a melhoria constante do mercado de trabalho estão a suportar o crescimento da atividade no mercado imobiliário. Além disso, as perspetivas mantêm-se sólidas, embora muito vá́ depender da forca da economia e se a recuperação consegue ganhar impulso".

Quanto ao mercado de arrendamento, o PHMS de junho evidencia que a procura de casas para arrendar aumentou uma vez mais, ao mesmo tempo que a colocação de imóveis em oferta caiu de forma abrupta. Esta é uma tendência que tem sido recorrente na maior parte do ano passado, e que tem resultado numa subida de rendas, que deverão continuar em rota ascendente nos próximos meses.